• Cris Jardim

Vinícola Arte Viva: um sonho que virou realidade

Localizado em Monte Belo do Sul, projeto do enólogo Giovanni Ferrari

é especializado em vinhos finos e espumantes de alta gama

O enólogo Giovanni Ferrari. Crédito Rodi Goulart

A vontade de ter a própria vinícola sempre acompanhou Giovanni Ferrari. Um sonho que virou realidade no final de 2019, quando o jovem enólogo começou a tirar do papel o projeto da Arte Viva, especializada em vinhos finos e espumantes premium e super premium, na Serra Gaúcha. “Cresci vendo meu pai e meu avô trabalhando com a viticultura. Até hoje a família trabalha com isso, no interior de Bento Gonçalves. Sempre quis montar uma vinícola, desde que me entendo por gente”, recorda Ferrari, 33 anos, descendente de imigrantes italianos que chegaram à região a partir de 1875, vindos da comuna de Isola della Scala, no Vêneto.


Alicerçada na missão de elaborar produtos que expressem sua essência, proporcionando sensações únicas ao consumidor, a Vinícola Arte Viva tem sua unidade de elaboração situada na Linha 100 da Leopoldina, em Monte Belo do Sul, município de aproximadamente 2,5 mil habitantes e que cada vez mais desperta o interesse dos enófilos. Com foco em produtos de alta gama, que se diferenciam pela singularidade e exclusividade, os vinhos são elaborados buscando respeitar as características das uvas, expressando o máximo de seu potencial. “Aqui é como um ateliê. Numa obra de arte, tem a essência do pintor e toda a memória de onde o artista foi buscar inspiração. No vinho é semelhante. Essa minuciosidade no sentimento, na genuinidade, vai compor um produto distinto e autêntico, como obras de arte”, reflete o enólogo.


Atualmente, o volume de produção é de 55 mil garrafas/ano. As uvas são fornecidas por produtores parceiros, de vinhedos em diferentes terroirs do Rio Grande do Sul. Da Campanha Gaúcha vêm Tannat e Marselan. De Quaraí, na Fronteira Oeste, são recebidas Cabernet Franc, Sauvignon Blanc e Chardonnay. Merlot e Alicante Bouschet são fornecidos por um produtor de Cotiporã, na Serra Gaúcha. O Vale dos Vinhedos contribui com Malbec e Syrah. Já para os espumantes, são utilizadas Riesling, Chardonnay e Pinot Noir de Monte Belo do Sul e Garibaldi.

Cinco linhas

Os produtos estão distribuídos em cinco linhas. A primeira delas é a Sinônimos, destinada aos rótulos de entrada da vinícola (premium). Nela estão o espumante Moscatel, além de um rosé de Pinot Noir e Marselan, ótimo para o happy hour, e um Riesling com passagem por barrica de acácia, todos com lançamento previsto para julho.




Elementar é a linha intermediária, formada pelos rótulos super premium. Nela estão os varietais Merlot, Marselan e Tannat, com maturação em barricas de carvalho francês, americano e esloveno, além da madeira brasileira jequitibá. Também compõem a Elementar dois espumantes Extra-Brut elaborados pelo método ancestral: um 100% Pinot Noir e um 40% Chardonnay e 60% Riesling. .

No método ancestral, a primeira e a segunda fermentações são sequenciais. O processo começa em tanque de inox e, quando está próximo do fim, o vinho é engarrafado. As leveduras continuam agindo para realizar o término da fermentação e acumular a pressão necessária na garrafa. Já a terceira linha será reservada aos produtos Ícone.


Homenagem às filhas, Júlia e Maria Luíza

Além da Sinônimos, Elementar e Ícone, outras duas linhas mereceram atenção mais do que especial para Giovanni Ferrari. Isso porque elas fazem homenagem às duas filhas do enólogo: Júlia, de dois anos e meio, e Maria Luíza, de quatro anos e meio.


Na Juju, ficarão agrupados os rosés e brancos exóticos. O primeiro rótulo já está disponível. Trata-se do rosé elaborado com as variedades Marselan, Riesling e Chardonnay com maturação em barrica de jequitibá rosa, aportando notas de alcaçuz, cassis e torrefação.


Além de homenagear a pequena Júlia, o nome da linha carrega um episódio marcante da vida pessoal de Ferrari, que perdeu a esposa em decorrência de complicações após o parto da menina. “A Juju foi um marco de transformação para mim, pois adquiri maturidade pessoal na marra. Fiquei com as minhas duas filhas e, então, me dei conta de que o tempo estava passando e decidi dar outro rumo para minha vida profissional. Saí da vinícola onde trabalhava e decidi tocar o meu próprio projeto”, conta ele.


Seguindo a mesma filosofia da linha Juju, a Malu será composta pelos tintos exóticos. O primeiro deles, ainda em elaboração, será um corte de vinhos com variedades com a letra M: Malbec, Merlot e Marselan. Um Syrah com tipicidade brasileira também integrará a linha.


Trabalho em diferentes vinícolas do mundo

Com formação em Viticultura e Enologia pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia (IFRS), Campus Bento Gonçalves, o enólogo Giovanni Ferrari iniciou sua trajetória profissional em 2009 na Vinícola Almaúnica, onde conheceu os vinhos finos de alta gama. Com passagens por vinícolas de pequeno, médio e grande porte no Brasil, também realizou estágios no Douro (Portugal) e em Epernay (França). "O mundo dos vinhos de alta gama me encanta pois é rico em conhecimento e repleto de expressões e essências de lugares, pessoas e circunstâncias. Este mundo nos permite aprimorar e descobrir a nossa sensibilidades através dos nossos sentidos”, salienta.


Onde encontrar:

Os produtos da Arte Viva podem ser adquiridos por meio dos seguintes canais:

E-mail: vendas@vinicolaarteviva.com.br

WhatsApp: (54) 99919-2249 ou (54) 99672-2249

Instagram: @vinicolaarteviva


Pontos de venda parceiros:

Vino Verace (www.vinoverace.com.br), em Bento Gonçalves (RS).

Empório Vino do Sul (www.emporiovinodosul.com.br), em Linhares (ES).

Entrenós Vinhos do Brasil. Loja física de vinhos em São José do Rio Preto (SP). Rua Américo Gomes Novoa, 730, loja 1, Jardim Redentor.


Texto e fotos: divulgação